Arquivo da tag: educação

O Esporte e a Educação, combinação perfeita!

Cada vez mais os esportes vem revolucionando as escolas do país. A preocupação no ensino vem crescendo e uma maneira de incentivar nossos alunos é buscar o desenvolvimento nos esportes. Por isso, a sua importância na educação.

Os esportes auxiliam muito na construção de conhecimentos, valores e até na personalidade dos alunos.

É fundamental ampliar as oportunidades para a prática esportiva nas escolas, visto que a universalização do esporte dá oportunidade aos alunos de vivenciarem experiências esportivas, recreativas, e de lazer, que poderão contribuir significativamente com o processo de formação integral das crianças, jovens e adolescentes que se encontram na comunidade.

Pensando em tudo isso, desde 2013 foi lançado no Brasil, o Programa ATLETA NA ESCOLA, do Ministério dos Esportes, que tem como objetivo incentivar a prática esportiva nas escolas, democratizar o acesso ao esporte, desenvolver e difundir valores olímpicos e paraolímpicos entre estudantes da Educação Básica, estimular a formação do atleta escolar e identificar e orientar jovens talentos.

O esporte pode sim, mudar a vida de jovens em todos os sentidos.

O Expoente Colégio e Cursos, sabendo da importância que o esporte traz para o aluno e para a comunidade, lançou neste mês de março o “Peneirão”, nas modalidades futsal, voleibol e judô, orientado pelo Professor Flávio Costa.

2 4 6

Os aprovados terão uma Bolsa Atleta no valor de 50%.

O objetivo é que ele seja tão bom nas aulas quanto nas quadras. Os professores de Educação Física e técnicos são orientados a ressaltar a importância dos estudos, liberando os alunos para suas obrigações escolares.

O esporte deve ser o maior aliado da Educação. Juntos promovem o desenvolvimento integral do indivíduo de forma harmoniosa e sadia, despertando para a cidadania e assim formando pessoas do bem.

O esporte funciona como um diferencial na formação do cidadão e na construção de uma sociedade mais saudável em todos os sentidos. O corpo e mente exercem influência mútua e sempre devemos cuidar de um para mantermos o outro saudável.

 

A importância da pontualidade na escola

Por que é importante que seu filho chegue pontualmente às aulas? 

Trânsito, pequenos incidentes domésticos, despertador que não toca… Para os pais, não faltam desculpas na hora de justificar a falta de pontualidade. Claro que todo mundo está sujeito a um imprevisto, mas atrasos recorrentes dos filhos na escola podem se tornar um problema sério na vida das crianças e dos adolescentes. E o papel dos pais é dar o bom exemplo. “Uma ação vale mais que mil palavras. Se os pais não conseguem ser pontuais, essa falta de pontualidade, inevitavelmente, acabará refletindo no comportamento das crianças”, alerta Francisco Aparecido Cordão, conselheiro da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação.

A psicopedagoga Marcia Zebini concorda. “Os pais serão sempre aqueles que têm a missão de educar para a autonomia, para a vida adulta. Pais que desde cedo têm uma conduta de educar pelo exemplo – em todos os sentidos, mas mais especificamente em relação à pontualidade – não têm problemas quanto à frequência dos filhos adolescentes no dia a dia escolar”, afirma.
A pontualidade deve ser regra desde a pré-escola. “Chegar no horário, ou com uns 15 minutos de antecedência, é importante por várias razões. A principal delas é a contribuição para a formação de um indivíduo capaz de respeitar regras e normas e conviver de forma adequada em sociedade”, diz a psicopedagoga Marcia Zebini. “A criança aprende na prática os benefícios de assistir uma aula desde o princípio, sem interferir negativamente na vida dos colegas e do professor – sem interromper uma explicação e desviar a atenção das crianças que respeitaram a regra da pontualidade”, acrescenta.

Por que ser pontual é importante?

Além de aprender a respeitar regras e conviver de forma adequada em sociedade, ser pontual evita que o aluno sofra as consequências de não chegar no horário, como: – perder parte importante do conteúdo; – não ter os apontamentos necessários para estudar para as provas; – perder explicações dadas pelo professor, que não constam nos livros ; – ficar mal visto pelos professores e colegas quando os atrasos são recorrentes.

Qual a responsabilidade dos pais?

É educar pelo exemplo. Se você não chegar na hora, seu filho não valorizará a pontualidade. “As crianças acabam assimilando o seguinte raciocínio implícito no ato dos pais: ‘se os meus pais, que são vividos e que sabem das coisas, não cumprem horários, por que eu vou ter de cumprir?’”, alerta Francisco Aparecido Cordão, conselheiro da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação.

Qual o papel da escola?

A escola deve mostrar aos alunos que toda ação gera uma reação. “Logo no início do ano letivo, os alunos têm de ser informados das regras e das consequências do não cumprimento delas em todos os aspectos do cotidiano escolar, inclusive no que diz respeito à pontualidade”, explica a psicopedagoga Marcia Zebini.

Também é função da escola explicar aos alunos que entrar na sala no meio da aula distrai os colegas e interrompe os professores, atrapalhando o processo de ensino-aprendizagem. Se, ainda assim, houver atrasos, a escola deve chamar os pais ou responsáveis legais pelos alunos e explicar o quanto a falta de pontualidade prejudica os atrasados e o restante da escola.

Como controlar a frequência e a pontualidade?

A escola tem a obrigação moral e educacional de sempre avisar os pais sobre o atraso dos seus filhos. Nunca esperar que existam vários atrasos para fazer o alerta. Mas os pais também têm a responsabilidade de buscar meios de checar a assiduidade dos filhos às aulas, principalmente dos maiores, que já vão sozinhos para a escola. “Uma prática que ajuda é verificar a agenda do aluno todos os dias e entrar em contato constante com a escola para se informar sobre a assiduidade do aluno”, aconselha a psicopedagoga Marcia Zebini.

Meu filho tem dificuldade em acordar, o que fazer?

Muitos pais sofrem para fazer os filhos dormirem na hora certa. Principalmente no caso dos adolescentes, que ficam entretidos com o computador e o videogame e, quando se dão conta, já passa da meia-noite. E, claro, não conseguem acordar no dia seguinte. Se esta é a sua rotina, está na hora de fazer acordos. “As crianças e os adolescentes precisam dormir, pelo menos, 8 horas por noite. E cabe aos pais estabelecer a hora de ir para a cama, explicando que toda ação tem uma reação, e que se o filho não acordar no dia seguinte, será punido”, explica a psicopedagoga Marcia Zebini.

crianca-sono-foto-Christopher-Robbins-FolhaPress

Para evitar este tipo de comportamento, o ideal é estabelecer uma rotina de horários para dormir e acordar desde cedo, para que a criança crie o bom hábito de levantar na hora. E sempre explicar que a escola é importante porque, além de ensinar conteúdos, ela tem a função de formar indivíduos e prepará-los para a vida adulta, desenvolvendo habilidades e o raciocínio, entre outros aspectos.

Agora, se seu filho dorme no horário, reconhece a importância da escola e ainda assim tem dificuldades para acordar, procure o pediatra – ou clínico geral, dependendo da idade – para verificar se não há algum distúrbio que esteja prejudicando o sono, como o ronco ou problemas neurológicos. “Se estiver tudo normal e a criança continuar com sono, significa que precisa dormir mais horas, já que cada indivíduo tem um relógio biológico. Cabe ao adulto controlar isso”, avisa Marcia. Outro aspecto que deve ser observado é se a criança está gostando da escola, porque não acordar pode significar que ela está enfrentando problemas de aprendizagem, de sociabilização, etc.

Na hora de acordar as crianças, nada de gritos ou de acender a luz repentinamente. Isso pode deixá-las irritadas o dia todo, além de transformar o momento de acordar em um pesadelo traumático, o que pode dificultar ainda mais o processo. O ideal é abordá-las com carinho e tranquilidade e, a partir dos 9 anos, já é bom colocar o despertador para conduzi-las à autonomia. E para ajudar seu filho a despertar, sugira um bom banho antes de ir à escola, de preferência de morno para frio, para renovar as energias.

178088716-original1

Retornando as aulas

Voltar das férias é sempre complicado e ambíguo. Se por um lado os aspectos sempre prazerosos de um tempo livre de compromissos ou fora da rotina, como em um passeio ou viagem, pedem sempre um pouquinho de tempo a mais, voltar e rever os colegas e professores e retomar o dia a dia escolar não é tão ruim assim. A maioria reencontra os deveres escolares como uma etapa boa para que as próximas férias sejam ainda melhores.

Esta retomada requer empenho e concentração. O foco na organização deste período é fundamental.

E para os que estão ingressando no Ensino Fundamental 1, tudo é diferente e desafiador, além de um frio na barriga. Tudo é novo: conhecer as responsabilidades que assumirão na nova série,  novos procedimentos que serão construídos, nova  organização dos materiais escolares que utilizarão diariamente e tantos outros desafios.

O sentimento de fazer parte de uma turma, constituindo-se como estudante num espaço orquestrado pelo professor é um aspecto construído desde o primeiro dia de aula, na maneira de receber as crianças, de propor conversas, jogos, brincadeiras e desafios coletivos para que se (re) conheçam.

IMG_20161007_152210985

Aprender a conviver, conhecer os novos colegas, sentir-se pertinente a um grupo, esses são os principais objetivos de nossa equipe de professores e funcionários.

É uma novidade para todos. Novos colegas. Curiosidade… Olhares animados, solícitos, interessados, apreensivos, saudosos, curiosos e, mais ainda, olhares que se abrem ao novo, na expectativa de conhecer e viver a escola entre colegas.

Nas salas de aula fomentamos  o interesse entre eles e isso fortalece vínculos iniciais que estão em plena construção. Compartilhar situações de aprendizagem e também experiências lúdicas exerce nas crianças um grande papel aglutinador e apoia o estabelecimento de laços de confiança, tão fundamentais para o convívio!

Oficina de jogos e bricadeiras (1)

O período de adaptações demanda grande energia de todos, e o diálogo nos parece a melhor forma de construirmos, juntos, ótimas experiências e memórias, compartilhando o percurso de conquistas de nossos alunos e alunas em mais um novo ano.

Até breve!